quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Só sei que te amo!

Eu poderia tentar explicar em palavras tudo o que sinto por ti mas a verdade é que não seria suficiente para fazer com que me entendessem..

Como é que se explica que passado tanto tempo ainda tenhas a capacidade de fazer o mundo desaparecer só com um sorriso? 
Como é que se explica que esse abraço ainda me arrepie e faça com que o meu coração falhe batidas?
Como é que se explica que quando me tocas ainda tremo e ainda sinto as borboletas invadirem-me?
E esses olhos? Caramba, como posso explicar o efeito que esse olhar tem em mim?

Como poderia explicar que me sinto no auge da perfeição quando acordo de noite e tu estás ali a dormir ao meu lado?
Que consigo imaginar toda uma vida ao teu lado enquanto vejo televisão com a cabeça no teu peito?
Que quando me encaixo em ti eu tenho certeza que fomos moldados em conjunto?

Tentei fugir tantas vezes deste sentimento e acreditei tantas vezes que tinha conseguido mas o universo teima em brincar comigo e levar-me de volta a ti, teima em dizer-me "aqui está e agora o que vais fazer?" Mas que posso eu fazer quando só eu tenho coragem de saltar de arranha céus? Que posso fazer quando as coisas não são mútuas, que posso eu fazer quando tu não tens coragem de correr riscos comigo?

Grito, choro e barafusto com o universo, o que raio quer ele ensinar-me? O que quer que eu veja que não estou a ver? O que é suposto eu fazer?

Procuro respostas em mim, em ti e até no além mas não consigo chegar a nenhuma conclusão. "Segue a tua intuição e o teu coração" dizem os "especialistas", como lhes explicar que tudo em mim grita que és o meu destino, que nasci para ti, que mudaria o mundo inteiro para ficar contigo mas que por mais que tente parece nunca ser o suficiente? 

Se há alturas em que me sinto perdida no meio de tanto amor, esta é uma delas. Em que a razão e a emoção se digladiam em argumentos se devo ir ou ficar, em que pareço saber menos a cada dia que passa?

Não tenho a mínima noção do que o destino nos reserva, a mais pequena luz sobre o que devo ou não fazer mas sei, sem a mais pequena dúvida que te amo. E por hoje, só por hoje isso vai ter de chegar.

Algures no tempo




Sem comentários:

Publicar um comentário